Setor de serviços cresce pelo 3º mês seguido, mas ainda não elimina perdas com pandemia

 Setor de serviços cresce pelo 3º mês seguido, mas ainda não elimina perdas com pandemia
Digiqole ad

O volume de serviços prestados no Brasil cresceu 2,9% em agosto, na comparação com julho, segundo divulgou nesta quarta-feira (14) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar de engatar a terceira alta seguida, o setor ainda não conseguiu eliminar as perdas com a pandemia e passou a acumular queda recorde em 12 meses.

Em 3 meses, o setor acumulou crescimento de 11,2%. O resultado, porém, ainda não foi suficiente para recuperar o tombo de 19,8% entre fevereiro e maio.

Segundo o IBGE, o volume de serviços segue 9,8% abaixo do patamar de fevereiro, mês que antecedeu o início das medidas de isolamento para contenção do coronavírus.

Na comparação com agosto de 2019, o volume de serviços recuou 10%, a sexta taxa negativa seguida nessa base de análise.

Volume de serviços mês a mês — Foto: Economia G1

Volume de serviços mês a mês — Foto: Economia G1

Segundo o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, para retomar o patamar pré-pandemia o setor de serviços ainda precisa avançar 10,8%. Ele destacou ainda que nenhum dos 5 segmentos pesquisados recuperou totalmente as perdas da pandemia.

“Em termos de setor, nenhum voltou ao patamar pré-pandemia e mesmo com o acúmulo de taxas positivas torna mais difícil a recuperação porque a base de comparação está mais elevada. Então, as próximas taxas talvez percam um pouco de fôlego. A recuperação ainda vai levar algum tempo. Acho difícil que ocorra ainda esse ano. Em 2020, talvez a gente não veja isso”, avaliou.

Perda de 9% no acumulado no ano e queda recorde em 12 meses

No acumulado no ano, setor ainda tem queda de 9% frente ao mesmo período do ano passado, registrando expansão em apenas 25,3% dos 166 tipos de serviços investigados.

Em 12 meses até agosto, a perda acelerou para a taxa negativa recorde de -5,3%, vindo de -4,5% em julho, evidenciando as dificuldades de recuperação das atividades ligadas a prestação de serviços.

“A taxa dos últimos 12 meses recuou 5,3% em agosto de 2020, mantendo a trajetória descendente iniciada em janeiro de 2020 e chegando ao resultado negativo mais intenso da série deste indicador, iniciada em dezembro de 2012”, informou o IBGE

Segundo o IBGE, o volume de serviços no país está 19,8% abaixo do pico da série histórica da pesquisa, registrado em novembro de 2014.

Regionalmente, 21 das 27 unidades a federação apresentaram expansão em agosto, com destaque para São Paulo (2,5%), Minas Gerais (5,8%), Rio de Janeiro e (1,9%) e Santa Catarina (3,4%). Já as principais pressões vieram do Mato Grosso (-2,7%) e de Tocantins (-5,5%).

Restaurantes e hotéis são destaques de alta

Setorialmente, 4 das 5 atividades mostraram avanço no volume de serviços em agosto, com destaque para serviços prestados às famílias (33,3%), impulsionados pelos pela reabertura de restaurantes e hotéis.

Variação do volume de serviços em agosto, por atividade e subgrupos:

  • Serviços prestados às famílias: 33,3%
  • Serviços de alojamento e alimentação: 37,9%
  • Outros serviços prestados às famílias: 9,1%
  • Serviços de informação e comunicação: -1,4%
  • Serviços de tecnologia da informação e comunicação: -1,6%
  • Telecomunicações: 0,2%
  • Serviços de tecnologia da informação: -4,1%
  • Serviços audiovisuais: 3,3%
  • Serviços profissionais, administrativos e complementares: 1%
  • Serviços técnico-profissionais: 0,9%
  • Serviços administrativos e complementares: 0,8%
  • Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio: 3,9%
  • Transporte terrestre: 4,3%
  • Transporte aquaviário: -1,9%
  • Transporte aéreo: 14,6%
  • Armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio: 2%
  • Outros serviços: 0,8%

Segundo o IBGE, a alta nos serviços prestados às famílias foi a maior da série histórica, mas o segmento ainda está distante de recuperar as perdas de março e abril, tamanha a queda. “Para que os serviços prestados às famílias voltem ao patamar de fevereiro, ainda precisam crescer 72,2%”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Outro destaque foi o avanço dos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios (3,9%). A atividade acumulou ganho de 18,8% em quatro meses, mas também não recuperou as perdas de março e abril (-25,2%).

Os demais avanços do setor vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares (1%) e outros serviços (0,8%). O único resultado negativo ficou com os serviços de informação e comunicação (-1,4%).

Entre os segmentos, o segmento de outros serviços é o que está mais próximo de eliminar as perdas com a pandemia, precisando avançar mais 1,1% para recuperar o patamar de fevereiro. Lobo explicou que o principal destaque são os serviços relacionados às atividades financeiras, sobretudo administração de bolsas de valores e corretoras de títulos imobiliários.

Recuperação e perspectivas

O setor de serviços tem sido um dos mais abalados pela pandemia de coronavírus e tem apresentado uma recuperação mais lenta do que a observada no comércio e na indústria, sobretudo nas atividades que envolvem atendimento presencial.

“Os serviços prestados às famílias, que incluem restaurantes, hotéis, academias de ginástica e salões de beleza foram os que mais sentiram os efeitos adversos da pandemia. Com a retomada das atividades, algumas empresas abriram, mas com capacidade de atendimento limitada. Essas empresas mostram alguma recuperação, mas com um ‘teto de retomada’, já que não têm plena capacidade de atendimento, comparada ao período pré-pandemia. Isso piora com o receio de algumas famílias de consumir esses serviços, como ir a restaurantes ou viajar”, explicou o gerente da pesquisa.

Após o tombo recorde no 1º semestre, a economia tem mostrado uma reação no 3º trimestre. A recuperação, porém, tem se mostrado desigual entre os setores.

Na semana passada, o IBGE mostrou que as vendas do comércio cresceram 3,4% em agosto. Com o resultado, o setor atingiu o maior patamar de vendas em 20 anos, superando em 8,9% o patamar pré-pandemia.

Já a indústria avançou 3,2% em agosto, engatando a 4ª alta seguida, mas ainda permanece 2,6% abaixo do nível visto em fevereiro, antes das paralisações e restrições para conter a pandemia.

A estimativa atual do mercado é de um tombo de 5,03% do PIB em 2020 e alta de 3,5% em 2021, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta um tombo de 5,8% da economia brasileira em neste ano.

Analistas apontam que o desemprego elevado, a perspectiva de término dos programas de auxílio e as incertezas sobre a saúde das contas públicas e andamento da agenda de reformas são os principais desafios para a manutenção do ritmo de recuperação da economia.

Atividade turística avança pelo quarto mês seguido

O índice de atividades turísticas também apontou expansão de 19,3% em agosto, acumulando crescimento de 63,4% em 4 meses. O indicador, porém, também não eliminou ainda as perdas de 68%, registradas entre os meses de março e abril, quando diversas empresas, principalmente de transporte aéreo de passageiros, restaurantes e hotéis interromperam as atividades devido à pandemia.

Frente a agosto de 2019, o volume de atividades turísticas caiu 44,5%, sexta taxa negativa seguida.