Secretaria de Educação do Ceará propõe retomada de atividades presenciais da rede pública para agosto

 Secretaria de Educação do Ceará propõe retomada de atividades presenciais da rede pública para agosto
Digiqole ad

A Secretaria de Educação do Ceará (Seduc) elabora o plano de retomada das atividades presenciais da rede pública estadual junto a instituições que compõem o Comitê Consultivo Estadual. A proposta apresentada em reunião nesta quarta-feira (24) traz previsão de retorno para o mês de agosto.

A gestora da Pasta, Eliana Estrela, explica que a elaboração desse plano tem sido feita de forma colaborativa. “A previsão é de que seja em agosto, mas depende da determinação dos especialistas da saúde. Estamos construindo esse plano ouvindo todas as pessoas envolvidas e a comunidade escolar”.

A secretária adianta também que essa retomada deve ser gradual e, para determinar os grupos prioritários, é realizada uma consulta à comunidade escolar. A proposta apresentada pela Secretaria é de que seja 25% em um primeiro momento.

“Hoje apresentamos algumas diretrizes e premissas, e estamos disponibilizando para cada instituição que forma o Comitê esse plano e vamos ter uma retomada com a contribuição de cada uma”, detalha Elisa.

Ainda sem data confirmada, uma nova reunião deve ser realizada na próxima semana para pregar essas contribuições, analisar os avanços realizados e o que ainda pode ser feito.

Rede particular

Em decreto publicado no dia 14 de junho, a Prefeitura de Fortaleza determinou o retorno das atividades presenciais da rede privada da Capital para o dia 20 de julho, ou seja, na quarta fase do plano de retomada econômica do Ceará. No entanto, a data pode ser alterada de acordo com a análise dos índices da Covid-19 em Fortaleza.

Antes do decreto, a previsão é de que o retorno acontecesse no dia 31 de julho, mas a antecipação aconteceu para alinhar as datas com o Plano de Retomada Responsável das Atividades Econômicas e Comportamentais no Ceará, conforme o documento.

Dados do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe-CE) apontam que as instituições de ensino particulares do Estado registram perda de cerca de 14% das matrículas durante o período.