Novo Hospital de Campanha de Sobral começa a ser montado para atender pacientes com Covid-19

 Novo Hospital de Campanha de Sobral começa a ser montado para atender pacientes com Covid-19
Digiqole ad

O novo Hospital de Campanha de Sobral, anexo ao Hospital Regional Norte (HRN), começou a ser montado nesse domingo (21). A estrutura terá 40 leitos de enfermaria exclusivos para o tratamento de pacientes com Covid-19.

Segundo o governador Camilo Santana, a unidade foi projetada para ter o mesmo padrão de um hospital. “Com ar-condicionado, camas, farmácia, e conectada com o HRN, para a gente poder aproveitar toda a estrutura local, alimentação, com a ligação do oxigênio, profissionais disponíveis, tudo para facilitar a logística de funcionamento”, explicou.
A plataforma IntegraSUS, atualizada na última sexta-feira (19), indica que a situação do município está crítica em relação à oferta de leitos. Isso porque, a taxa de ocupação das UTIs é de 99,35%, enquanto nas enfermarias, o índice já chega a 94,05%. Além do HRN, que tem todos os 110 leitos de UTI com pacientes internados, Sobral presta atendimento no Hospital de Campanha Dr. Francisco Alves (96%) e na Santa Casa de Misericórdia (100%).
ExpansãoEm publicação nas redes sociais na manhã desta segunda-feira (22), o gestor pontuou que a rede hospitalar do Estado dispõe de 4.182 leitos de Covid, ou seja, 41% a mais do que o número de acomodações abertas na primeira onda da doença.
Entre as últimas entregas feitas pela gestão estadual, estão os 39 leitos do Hospital Geral de Fortaleza (HGF); 20 leitos no Hospital São José; 40 leitos no Hospital Regional do Sertão Central (HRSC), 38 leitos no Hospital de Messejana (HM), e mais 60 novos leitos em anexos às UPAs da Praia do Futuro e Messejana, sendo em 30 cada unidade. Somente na Região Norte, são 642 leitos, sendo 467 de enfermarias e 175 de terapia intensiva. No entanto, a expansão de alas reservadas para o acolhimento de infectados pelo novo coronavírus tem um limite. 
“Reforço novamente que há um limite de expansão, principalmente devido à questão de pessoal. Com o grande aumento de casos, a ocupação dos leitos tem ocorrido de forma muito rápida”, alertou Camilo.
Diário do Nordeste