Elmano anuncia instalação de novo data center no Ceará até o ano de 2025.

 Elmano anuncia instalação de novo data center no Ceará até o ano de 2025.
Digiqole ad

O governador Elmano de Freitas (PT) anunciou nesta segunda-feira (22) a instalação de um novo data center no Ceará, a ser executado com a empresa Angola Cables, até o ano de 2025. O anúncio foi feito durante reunião com o CEO da companhia, Ângelo Gama.

Conforme divulgado, o empreendimento terá 960 metros quadrados e ficará na Praia do Futuro, em Fortaleza. As obras da primeira fase devem ter início no segundo semestre de 2024, com um investimento de cerca de 50 milhões de dólares, equivalente a mais de R$ 250 mil. Até a conclusão, o investimento deve chegar a R$ 400 milhões.

A Angola Cables já havia investido cerca de 300 milhões de dólares (cerca de R$ 1,2 bilhão) para construir o primeiro data center no Ceará, que ocupa uma área de 3 mil metros quadrados na Praia do Futuro. O investimento engloba ainda a instalação dos cabos submarinos Sacs e Monet, que ligam via fibra ótica as Américas e a África, gerando ainda uma rota alternativa de conectividade com os Estados Unidos e a Ásia.

O Sacs sai de Luanda, em Angola, e chega a Fortaleza, percorrendo 6.200 km sob o Oceano Atlântico; o Monet, com 10 mil km de extensão, interliga as cidades de Santos e Fortaleza, no Brasil, e Miami, nos EUA. A velocidade da transmissão de dados é de 63 milissegundos.

Elmano, na ocasião, destacou a perspectiva de abertura de postos de trabalho a partir do empreendimento. “Essa parceria com a Angola Cables é muito importante para o nosso povo. Será um investimento que gerará empregos na construção do data center, vai gerar empregos para as pessoas que depois vão trabalhar na empresa”, disse, na ocasião.

Já Ângelo Gama, da Angola Cables, conta que a empresa decidiu fazer do Ceará “a nossa sede nas Américas”. “Achamos realmente que conseguimos juntar aqui um ecossistema, quer da parte de tecnologia, quer da parte de interesse dos grandes players internacionais, e também pelo próprio mercado das telecomunicações e tecnologia da informação”, explica.

GC Mais