Crise hídrica se agrava e vira mais um entrave para o crescimento da economia brasileira

 Crise hídrica se agrava e vira mais um entrave para o crescimento da economia brasileira
Digiqole ad

A crise hídrica que atinge o Brasil afeta a economia em várias frentes e torna ainda mais frágil a expectativa de uma recuperação robusta da atividade econômica, depois de um resultado pífio no segundo trimestre deste ano: segundo dados divulgados nesta quarta-feira (1) pelo IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,1% no segundo trimestre deste ano.

De imediato, a seca tem levado ao aumento do preço da conta de luz e se transformou em mais uma pressão inflacionária para a população – que já sofre com a alta de combustíveis e alimentos. A indústria também enfrenta um reajuste no custo de produção num cenário em que a há pouca margem de manobra para absorver novos choques.

Por fim, a seca ainda deve fazer com que o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio recue este ano, pela primeira vez desde 2016.

“Estão se unindo fatores que são limitadores para o crescimento do PIB nos próximos trimestres e que pesam (para a atividade) em 2022”, afirma Alessandra Ribeiro, economista e sócia da consultoria Tendências.

O impacto total da seca no PIB do Brasil ainda é difícil de ser mensurado pelos economistas. O tamanho da crise – se o país vai precisar adotar um racionamento, por exemplo – só vai ficar mais claro nos próximos meses, a depender da quantidade de chuva nos reservatórios.

O que é possível afirmar é que a crise hídrica aumentou de gravidade nos últimos dias. Na semana passada, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que a capacidade atual do país de geração de energia elétrica será insuficiente para atender à demanda a partir de outubro.

“Dado o nível atual dos reservatórios, se a gente chegar em outubro, novembro, e a chuva não vier, o risco (de racionamento) aumenta”, diz Luciano Sobral, economista-chefe da Neo Investimentos.

Papel do governo na crise

No discurso, por ora, o governo reconhece a gravidade da situação, mas descarta um racionamento – embora tenha adotado uma série de medidas para tentar evitar um apagão:

Para os especialistas, no entanto, o governo federal está demorando a tomar medidas efetivas para evitar o esgotamento do sistema.

Em entrevista ao G1, Renato Queiroz, pesquisador do Grupo de Economia da Energia do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), afirmou que há atraso na reação do governo diante do problema. Ele entende que mais usinas termelétricas já deveriam ter sido acionadas. Elas produzem energia mais cara, a partir da queima de combustíveis como óleo ou gás.

“Já sabíamos que 2021 seria problemático. E o que deveria ser feito? Segurar água nos reservatórios e colocar mais térmicas para despachar. Por que não faz isso? Porque nossa conta de luz já é muita cara”, explicou o pesquisador.

Especialistas também apontam alguns erros de planejamento que ajudam a explicar as crises hídricas recentes.

“O país ficou 20 anos construindo usina hidrelétrica sem reservatório [exemplo Belo Monte, que opera a fio d’água, conforme a quantidade de água existente no rio]. Em 20 anos quase dobrou a demanda por energia e continuamos com o mesmo tamanho de reservatórios de água”, afirmou ao G1 Paulo Arbex, presidente da Associação Brasileira de usinas hidrelétricas e pequenas centrais hidrelétricas.

Impacto no PIB

Se um eventual cenário de racionamento se confirmar e o governo determinar uma redução de 10% no consumo de energia para todos os setores por um período de um ano, o impacto deve ser de 1,5 ponto percentual no PIB, segundo cálculos realizados pela Genoa Capital.

O mesmo exercício mostra que, se o governo optar por um racionamento de 20% apenas para reduzir o consumo das famílias, também no prazo de um ano, o impacto na atividade seria de 1 ponto.

“Pode ser bem complexo fazer essa queda do consumo residencial”, afirma o economista-chefe da Genoa Capital, Igor Velecico. “Em anos anteriores, existiam gaps de eficiência em que era possível fazer a troca de lâmpadas, geladeiras (para economizar). Hoje, esses gaps são muito menores e há uma parcela maior das pessoas trabalhando em home office.”