Bolsonaro e Haddad explicam polêmicas de suas campanhas na TV Globo; assista às entrevistas
Sábado, 20 de outubro de 201820/10/2018
Trovoadas
11º
12º
18º
Ashburn - VA
dólar R$ 3,71
euro R$ 4,27
Mega Byte
POLÍTICA
Bolsonaro e Haddad explicam polêmicas de suas campanhas na TV Globo; assista às entrevistas
O militar explanou sobre declarações de seu vice, general Hamilton Mourão. Já o petista teve de justificar proposta sobre nova constituinte e opiniões do ex-ministro José Dirceu
Santa Quitéria Notícias Santa Quitéria - CE
Postada em 09/10/2018 ás 07h32 - atualizada em 09/10/2018 ás 07h39
Bolsonaro e Haddad explicam polêmicas de suas campanhas na TV Globo; assista às entrevistas

Adversários no segundo turno nestas eleições, os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) concederam entrevista para o Jornal Nacional, da Rede Globo, na noite desta segunda-feira, 8 de outubro (08/10). Eles foram convidados a explicar questões polêmicas de suas campanhas ocorridas durante o primeiro turno.

  

Definido por ordem de sorteio, o petista foi o primeiro, informando ser uma “honra participar deste momento”, no qual dois projetos serão confrontados pelos eleitores. Dizendo-se ser do “lado da democracia e do bem estar social”, Haddad foi questionado pela jornalista Renata Vasconcellos quanto às declarações do ex-presidente de seu partido José Dirceu.

 

Em entrevista ao jornal El País, em setembro, Dirceu afirmou: “Nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar uma eleição”. A declaração causou polêmica, lançando desconfiança sobre a candidatura petista. Haddad, porém, defendeu-se, dizendo que discorda de tal posicionamento. 

 

“O ex-ministro não participa de minha campanha e nem participará de meu governo”, disse, complementando: “E eu discordo de sua formulação”.

  

Indagado sobre se convocaria uma nova Assembleia Nacional Constituinte em um eventual governo, Haddad destacou que a proposta foi “revista” e que fará reformas por meio de emendas constitucionais.

  


 



Primeiro colocado no primeiro turno com 46% dos votos, Jair Bolsonaro (PSL) veio na sequência. O militar da reserva explicou que sua candidatura baseia-se no versículo bíblico “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, para então acenar para os eleitores do Nordeste, única região em que perdeu em número de votos.

  

“Apesar da derrota, nunca outro candidato contra o PT teve votação tão expressiva no Nordeste como eu. Não tive mais votos por causa de fake news”, destacou o candidato que informou: “Não vou acabar com Bolsa Família.”

  

O jornalista William Bonner perguntou a Bolsonaro ainda quanto às declarações de seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB). Mourão chegou a afirmar que a “Constituição Cidadã foi um erro” e que também ao presidente da República é permitido “dar um autogolpe”.

  

Usando as patentes militares para responder, Bolsonaro disse: “Ele é general e eu sou capitão, mas eu sou o presidente”. “Desautorizei (o general) nesses dois momentos. Ele não poderia ir além daquilo que a Constituição permite. Jamais eu posso admitir uma nova constituinte, até por falta de poderes para tal”, explanou.

  


 



“Seremos escravos da constituição. Queremos demonstrar com isso que teremos um governo com autoridade, não com autoritarismos. Falta um pouco de trato dele (Mourão) com a política. Nesses dois momentos ele foi infeliz, deu duas caneladas”, justificou.
FONTE: O povo
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô: